Para receber Novidades

follow US

©2016 por LOA   |    loja@loa.pt   |    +351 966 345 959   |   Calçada do Galvão nº45A 1400-163 Lisboa

Regiões

A nível nacional a variedade "Galega" representa cerca de 80% do olival. Os seus frutos, de tamanho médio a pequeno apresentam um teor em gordura entre os 16% e os 18%, dando origem a azeites finos de alta qualidade e com grande estabilidade.

Atualmente, Portugal é o quarto maior produtor a nível da União Europeia.

A classificação DOP significa que o azeite foi feito de acordo com as regras estipuladas, que inclui variedades de azeitona, condições de apanha, transporte para o lagar, condições de laboração, características do produto final. Esta denominação só deve constar nos rótulos de azeites extra virgem e virgem.

As regiões DOP estão classificadas na imagem seguinte.

Denominação de Origem Protegida de Moura. Azeite proveniente da associação das azeitonas Cordovil de Serpa, Galega Vulgar e Verdeal Alentejana, é muito frutado, amargo e picante, sendo de cor amarela esverdeada.

Denominação de Origem Protegida do Alentejo Interior. Nesta região, pela existência de condições de solo, ricos em cálcio e potássio e com clima muito particular, o desenvolvimento da oliveira e a produção de azeitona são privilegiados. O azeite tem cor amarela dourada ou esverdeada, aroma frutado suave de azeitona madura e/ou verde e outros frutos, nomeadamente, maçã e/ou figo transmitindo uma grande sensação de doce.

Denominação de Origem Protegida do Norte Alentejo. O azeite do Norte Alentejo resulta da associação da azeitona Galega Vulgar, Carrasquenha e Redondil, aliando os frutados das variedades com sensações fortes de maçã e outros frutos maduros. São ligeiramente espessos, de cor amarelo ouro, por vezes esverdeados.

Denominação de Origem Protegida do Ribatejo. No Ribatejo, região de azeites doces, a variedade que impera é a Galega Vulgar.

Denominação de Origem Protegida da Beira Interior. Nesta região a Galega Vulgar junta-se à Bical e à Cordovil de Castelo Branco, na sub-região da Beira Baixa, dando origem a azeites complexos de aroma e sabor. Mais a norte, na sub-região da Beira Alta, a Galega Vulgar é por vezes substituída pelas variedades Carrasquenha, Cobrançosa, Carrasquinha e Cornicabra.

Denominação de Origem Protegida de Trás-os-Montes. As azeitonas Madural, Cobrançosa e Verdeal Transmontana, no clima e nos solos de xisto da Terra Quente, originam azeites muito finos e complexos com odores acentuados de frutos secos. Sendo azeites equilibrados, apresentam uma sensação notável de doce, verde, amargo e picante.